Seattle Grace Hospital X Mercy West

Só hoje tive tempo de assistir o melhor episódio, até então, da sexta temporada de Grey’s Anatomy. Por muito pouco não chorei. Eu tava achando que essa tal fusão com o Mercy West ia ser uma droga, mas no episódio 5, “Invasion”, pude ver como me enganei. Logo no início da narração de Meredith, ver aquele povo de uniforme laranja entrando e tomando conta do SGH foi estranho. E depois acompanhar a luta pelo seu espaço foi divertido, mas também dramático.

creepin_520x335

Cristina chorando e dizendo como sentia falta do Burke, porque ele jamais a deixou fora de cirurgia, pois sabia que ela era a melhor para estar ali. Já o Dr. Hunt sempre que tem uma oportunidade acabando a cortando. Isso até me levou a pensar que já que o O’Malley morreu, o Burke poderia voltar pra série, mas acho que vai ser só pensamento meu. Enfim, um Deus na cardio ta fazendo falta desde a quarta temporada.

Agora com a Meredith no papel de paciente ela acaba se tornando mais presente, afinal, é bem mais fácil esconder sua gravidez assim. E ela voltou a ter graça pra mim, ainda pouca, mas ta no caminho certo. Acho tão engraçado como ela e a Cristina levam a sua amizade, uma desaba de choro e a outra apenas diz que tudo bem, e a vida continua.

O sermão da Izzie em cima do residente do Mercy West, Charles, foi perfeito. Acima de tudo o Seattle Grace Hospital é um hospital de companheiros, parceiros. As pessoas se atiram na frente de um ônibus para salvar um estranho. Tem como dizer melhor? E sendo assim acredito que o Chief tinha que ter mais compaixão pelos seus. Demitir Izzie Stevens por um erro médico foi demais. Claro, ela errou, merecia ser punida, mas ela é um dos nossos. Sim, porque a essa altura de Grey’s Anaytomy eu já me sinto um dos deles.

Enfim, foi um episódio clássico de Grey’s, para não se botar defeito. E o Karev me apaixona cada dia mais com seu jeito protetor, ser deixado pela Izzie após sua demissão detonou com o cara. Quase que eu ia me esquecendo de comentar como eu gosto da Dr. Arizona, e como achei bonito o que ela falou para o pai da Calliope (o nome da Torres é tão engraçado).

Não vejo a hora de chegar amanhã para assistir a continuação disso tudo.

Lembrete

Venho aqui para falar duas coisas:

  1. Não perder de jeito algum o episódio de E.R hoje as 22h na Warner (com reprise as 3h), até eu que nunca acompanhei a série vou dar um jeito de ver George Clooney de volta como Dr. Doug Ross nessa 15ª e última temporada. Muito dessa minha animação para ver o episódio eu dou a propaganda produzida pela Warner que eu achei muito boa mesmo. Infelizmente não consegui encontrar no youtube ou em qualquer outro site a propaganda.20090313171129_70616_large_george-clooney-em-filmagem-da-serie-er-com-juliana-margulies
  2. Quem ainda não assiste GLEE, ta na hora de começar assistir. Não achei que eu fosse gostar tanto assim de uma série estilo comédia besteirol, mas a cada episódio eu me apego mais. Como já comentei antes, adoro as coreografias e músicas, no ultimo episódio (Vitamim D) o pessoal do Glee Club fez uma competição interna, meninos contra meninas. Cada grupo tinha que fazer um “mash-up” que significa pegar duas músicas e mistura-las para fazer a apresentação. O grupo das meninas escolheu Halo da Beyonce e Walking on Sunshine. De todas as musicas da Beyonce, Halo é a que eu não gosto. Não adianta eu não gosto mesmo. Até escutar a versão dela pelas meninas do Glee Club. A-M-E-I.

Mais um casamento

O quinto episódio dessa terceira temporada de Gossip Girl matou minha saudade da Lily e aquele seu jeito elegante e fino até para discutir. Matou minha saudade da Georgina Sparks BITCH. Matou minha saudade do Dan falando sem parar. Matou minha saudade da Dorota espiã e finalmente matou minha saudade de um casamento e toda a produção que só o pessoal de GG sabe fazer.

Posso dizer que esta terceira temporada vem sendo bem melhor que a segunda. Eu ainda sinto falta das fofocas estilo as da primeira, mas como os personagens evoluíram, eu acredito que esta evolução foi boa. Primeiro quero comentar sobre o figurino que normalmente eu fico com cara de boba olhando. Gosto muito das roupas loucas da Jenny, mas como diriam em Greys: SERIOUSLY? Horrível todos as roupas que ela usou neste episódio. Principalmente o vestido que ela estava no casamento da Lily&Rufus, parecia que seila, eu estava assistindo CHICAGO mais moderno. Falando em GOSSIP GIRLcasamento, o terno do Dan era bonito, o vestido da Serena tinha uma fenda sensual, mas não vulgar. A Lily estava maravilhosa com um longo rosa pink, claro que eu ainda prefiro o que ela usou no casamento com o Bart Bass, mas ainda assim o pink me conquistou.

Agora deixando de lado todo o glamour, vamos ao episódio mesmo. Eu achei tão engraçado a Georgina falando pra Vanessa como o Dan estava ignorando-a, que até um daqueles cartões eletrônicos ela enviou e ele não respondeu. Total crazy, ou seja, total Georgina mesmo. O Dan achando que a V. estava tentando o fazer terminar com a sua nova namoradinha superstar Olívia por estar tãããão apaixonada por ele foi bem engraçado. Eric e Jenny continuam apagadinhos, a única coisa legal da Jenny neste episódio foi quando estavam organizando a cerimônia, ela, Blair e outras “Mean Girls” da Constance e uma menina diz que sua família perdeu tudo e a Little Queen J. solta um “you can go”, pra quem queria acabar com a monarquia ela ta me saindo uma bela Queen. E como o Chuck disse no episodio anterior, ela nasceu pra isso e foi pra ser rainha que ela lutou o colegial inteiro.

Scott finalmente revela que é filho de Rufus e Lily, ou melhor, Georgina revela, mas no fim das contas a família feliz da um mega abraço em uma parada de ônibus para Boston, bem chique né? Adorei quando alguém diz que a G. saiu impune novamente e a Blair comenta que não acha isso e ai a cena seguinte é um Príncipe surgindo do nada em um bar para convidar a nossa crazy bitch pra ir com ele ao seu reino, e quem esta por trás de tudo? DOROTA. Linda com os cabelos soltos e se escondendo atrás de um menu. Diva.

E por enquanto é só.

Nunca perde a graça

Nesse feriado rolou maratona The Big Bang Theory na Warner, vi alguns episódios da segunda temporada e me lembrei que já estava no ar o quarto episódio da terceira. Assisti agora a pouco e pra variar não me decepcionou. Neste episódio Raj estava correndo o risco de ser deportado pois seu visto não valia se não estivesse trabalhando e sua pesquisa na Universidade resultou em nada. Sendo assim, Sheldon diz que Raj pode trabalhar PARA ELE, como foi bem frizado no episódio. Com certeza trabalhar com o Sheldon deve ser insuportável, aguentar o sabe tudo 24h por dia mais suas piadas super engraçadas (BAZINGA) não deve ser fácil.

Muito engraçado a trilha sonora enquanto os dois ficavam encarando o quadro tentando achar uma solução para a pesquisa.

Entre Penny e Leonard não teve nada demais. Acho muito engraçado quando o Howard dá uma de carente.

Já que estou aqui falando de big ban, aproveito para falar de um episódio que assisti neste feriado. Lembram daquele episódio que todo mundo ajuda a Penny a fazer acessórios em forma de flores para vender, e o Sheldon começa a tomar café e simplesmente enlouquece?! Ele bota a sua roupa de flash e quando se dá conta que o café terminou ele solta a melhor frase “eu vou estar de volta antes dessa banana atingir o chão” ele solta a banana e sai correndo fazendo barulho de velocidade, HILÁRIO.


Acredito que a terceira temporada vem vindo bem, mas espero mais. Penny e Leonard precisam de alguma agitação.

Bruxas de Eastwick

eastwick-posterOntem olhando umas comunidades no orkut achei uma “Eastwick” e resolvi dar uma olhadinha. A comunidade se trata de uma série de bruxas e eu decidi assistir os dois episódios que já haviam passado nessas ultimas duas semanas. A-D-O-R-E-I! Matei minha saudade de Charmed em tempos antigos. Apesar que em Charmed a história era outra, mas eu gostei de ver três jovens bruxas novamente.

Eastwick é baseada em um livro de John Updike, “As Bruxas de Eastwick”, e essa é a terceira tentativa de adaptar para uma série. Eu não assisti as duas anteriores, mas baseando minha opinião nos dois episódios que acabo de assistir acredito que esta vai emplacar.

Três bruxas que nunca se falaram nessa pequena cidade de Eastwick começam a descobrir seus poderes. Joanna é uma jornalista tímida e atrapalhada apaixonada pelo fotografo Will e melhor amiga de Penny. Ela descobre que consegue apenas com o olhar controlar os homens, mas só os homens. Kat é uma típica mãe de família batalhadora, mãe de 5 filhos e casada com um desempregado bêbado que não lhe da valor. É médica no hospital de Eastwick e possui o dom da natureza. Ela controla o tempo, os animais, a terra. Por último mas não menos importante temos Roxanne, uma artista plástica viúva, mãe da adolescente Mia e através de sonhos e afins ela tem visões do futuro. Essas três bruxas se conhecem e descobrem seus poderes através de Darryl Van Horne. Um misterioso homem que chega a cidade, rico, sedutor e bonito. Se aproxima das três e as apresenta para o mundo da magia, mas tudo sutilmente. Elas ainda não entenderam de verdade o que está acontecendo.

Pra quem gosta de magia, bruxas e coisas do tipo eu recomendo a série. Ainda ta no começo, a temporada deve ter 13 episódios e eu me interessei.

Um novo mistério…

Depois de ler algumas reportagens e comentários sobre Flash Forward eu resolvi assistir, e sabem o que eu tenho para falar? EXCELENTE. Andam especulando que a série tem tudo para ser a sucessora de Lost e eu sinceramente não duvido. O primeiro episódio estava sendo tão esperado que antes de estrear nos EUA já vazou na internet. A série vai lançar aqui só em 2010.

A história é interessante e envolvente, de cara o episódio já começa com todo o caos em Los Angeles devido ao apagão total de todas as pessoas do mundo. Por sinal achei estas cenas muito bem feitas, assim como as memórias do apagão. A história começa com as pessoas indo trabalhar e tudo mais e de repente vai aparecendo uma cena atrás da outra e todo mundo simplesmente apaga, quando voltam à consciência a cidade esta um tremendo desastre.flash-forward3 Helicópteros caindo e acertando prédios, carros batendo, um bando de surfista se afogando no mar. O apagão dura 2 minutos e 17 segundos no mundo inteiro e todo mundo tem uma visão do futuro, mesma data e mesmo horário, 29 de abril de 2010 às 22h. O FBI se encarrega de investigar este estranho acontecimento através das visões de todo mundo, principalmente do Agente Mark Benford. A pequena Charlie chamou minha atenção. Adorei a menininha, e fiquei sentida até quando ela falou “eu tive um pesadelo, não ia ter mais dias bons”. Mas a cena que eu mais gostei mesmo, foi ao final do episódio quando a Agente Janis (que por sinal eu adorei a personagem) encontra um vídeo de um estádio LIoyd Simcoe onde mostra todo mundo apagado e apenas um homem caminhando, de sobretudo e toca, ele chega até a dar aquela olhadinha para trás clássica enquanto vai embora do estádio. Perfeita cena.

Cheguei a assistir metade do segundo episódio e até onde eu vi também foi muito bom. Com certeza essa série vai render muito e eu já me viciei.